terça-feira, fevereiro 14, 2006

Em Memória de Álvaro Lapa


os criminosos e as suas propriedades (1974/75)


"Sou um abismo completo"

"Um homem só se possui atrvés de lampejos esparsos, e mesmo quando se possui não alcança a sua totalidade."

"A escrita pictográfica não é literária na sua tradição nem nos seus meios. Pode sê-lo indirectamente (p. ex. usando letras) sem se situar como forma literária.
(...)
Para o pintor o espetáculo é imagem, onde a consciência se alarga-alegra. Nos restos da função-memória, do que foi o melhor, do que valeu a pena: e dá-lhes vida."

Álvaro Lapa (1939-2006)

Lembro-me de Lapa nas aulas, enigmático, sempre muito dentro de si mesmo. Frases de valor incalculavel. Sinto hoje que perdi muito do que ele tinha para dizer. Podia ter estado mais atento nas aulas... mas ficou muito. E ficou porque a figura, o homem que era Álvaro Lapa, deixava entender a honestidade artística, a coerência, o génio.
Mais do que qualquer outro professor ensinou-nos a pensar o nosso trabalho, a ler o nosso trabalho, enquanto nos falava de Deleuze ou Adorno. A paixão distante com que falava de Artaud ,de Dacosta, do Surrealismo contagiou-nos a todos.
A sua obra influênciou, mais do que qualquer outra, o trabalho dos alunos de pintura das Belas Artes da minha geração. Licenciado em filosofia é um dos pintores mais interessantes da nossa contemporaneadade, provavelmente o mais interessante, junto com o seu amigo António Areal.

Ficamos mais pobres.

dois links para conhecerem algo sobre Álvaro Lapa.

Artistas Unidos

Galeria Fernando Santos

2 comentários:

Um gajo qualquer que toda gente conhece mas ninguem sabe quem é... disse...

"Estou um pouco cansado de falar de artes plásticas mas reconheço que muitas vezes me encontro a puxar o cinema para a área das artes plásticas" - Isto nem sempre é mau pois não? Deves ter uma espécie de pensamento visconteano, a parte plástica é tão importante, principalmente agora que estamos nesta fase da era digital, daqui por uns anos ou uma decada - quem sabe - sejas considerado um visionário. Ou então um Visconti 2. Cumprimentos

zirumbi disse...

cumprimentos ou comprimentos, vá-se dizer que é tudo uma questão de distâncias.
e eu acho que as pessoas não deviam morrer, está mal feito, mal sincronizado e mal relativizado.
se é um Visconti 2 não é um visionário, é um revisitado. e já não há tempo para os "re's". eu acho que és outra coisa para além disso mas às vezes esqueces-te que o tempo ainda existe.
eu não sei quem é este gajo, mas acho que não é tão mais importante a parte plástica agora com a arte digital. aliàs, o digital é como estar num sitio muito frio e não haver neve. o frio não se fisifíca. e arte digital também não... tocar as imagens com as mãos é a coisa mais bonita do mundo inteiro...............e é a plasticidade mais básica do cinema. eu também acho que o digital só traz mais binarizices para o mundo das palavras e da poesia, e mais tecnicistas para um diccionário de hormonas.





oh!