sexta-feira, fevereiro 22, 2008

22 de Fevereiro de 2008

É suposto esta ser uma data importante. Pelo menos para mim. Há uma todos os anos... não sei o que fazer com ela.
Fui ao cinema, como é costume. Vi o Michael Clayton e o Juno. São ambos bons filmes. Ás vezes há tão pouco a dizer sobre os filmes... ou então sou eu. Ontem vi o There Will Be Blood do Paul Thomas Anderson. Outro bom filme, mas que me desiludiu... muito.
Porque é que o Paul tentou agora fazer o seu Citizen Kane? Pronto, percebemos a piada... sempre que mete petróleo dá merda! É isso que o título quer dizer, acho. Há um pastor baptista que é espancado... duas vezes... e isso é bom. Há um Daniel Day-Lewis perfeito. Será? Um personagem tem de ter contradições, vários vectores... este pareceu-me plano demais para o Paul. Sem surpresas. Não há nada no filme que me surpreenda. Antes de o ver já sabia tudo o que se ia passar... e basta saber que é sobre a ascensão (mas não necessariamente a queda) de um garimpeiro de ouro negro. Um homem que não gosta de homens, nem de mulheres, enfim... não gosta de ninguém. E pronto, qual é a relevância? Fica rico na mesma, ou melhor, claro que fica rico... é mais fácil quando se não gosta de pessoas. A música do nosso Jonny Greenwood dos Radiohead é o que mais marca o filme e o que suporta a tensão que este consegue criar. Há gente que não sabe fazer mal as coisas. Será que o filme é sobre os dias de hoje? Sobre as vidas de americanos e o sangue que rola por causa da questão do petróleo. P. T. Anderson filma este ouro negro sem glamour de qualquer tipo. Para todos os efeitos o petróleo suja tudo à sua volta, até o coração de um homem. O filme mostra sempre um negócio tão vil e desumano como escuro e sujo. Acho que por esta altura o Paul pensa daquela matéria negra e viscosa o mesmo que a maioria do humanos deste planeta. Só dá ganancia, morte e fome! Mesmo assim achei que faltava qualquer coisa... para um filme tão longo (esta mania de fazer filmes com mais de duas horas já me começa a irritar e a cheirar a pretensiosismo).

Michael Clayton é o filme que o António Pedro gostava de ter feito e só não fez porque é mais difícil do que dizer uma banalidade qualquer sobre o Benfica. Grandes empresas, corrupção, advogados, mercedes caros e fato e gravata como quem usa pijamas do snoopy. A história conta-se aqui em linguagem cinematográfica. Imagens daqui e dali. Grandes falas, não em tamanho mas em significado. O melhor início de um filme nos tempos mais recentes. George Clooney a fazer dele mesmo, com umas olheiras que me fazem crescer a auto-estima. Afinal o homem é humano. O filme tem surpresas - o que falta no There will be blood - e funciona como um todo. Boa história e muito bem filmada.

Juno não é suposto ser uma comédia romântica. Se eu tivesse leitores neste blog tinha já afastado uma boa quantidade de gente do filme. Ellen Page fenomenal. A dupla de Arrested Development, Michael Cera e Jason Bateman deu-me a sensação de ver um filme com velhos amigos. Excelentes diálogos, cheios de pequeninos detalhes deliciosos provavelmente desperdiçados naqueles que procuram a comédia romântica que lhes vai prolongar o namoro por mais umas horas. O filme mente e mente e mente. A gravidez de uma menina de 16 anos não é assim tão fácil, fica bem em filme e pronto. Mas acabei por sair com um sorriso. Por vezes é bom ver uma boa mentira... afinal o cinema não é isso?

22 de Fevereiro é só mais um dia... sinto falta do meu fantasporto.

3 comentários:

Ana B disse...

isto soa mt a melancolia de quem faz anos


--//--

:D *

dee paula soares disse...

que aconteceu com o Fantasporto?
vá idade representa sabedoria. e sempre bom saber um pouquinho mais. bom aniversário.

Crashedbaby disse...

Parabéns....atrasados...=)

pois....eu gostava de ver o Michael Clayton...tenho visto o trailer por aí..(nas tv's dos autocarros por exemplo,xD) e parece ser realmente interessante...xD

Quanto ao Juno, fiquei um pouco desiludida com o o que o stor escreveu...porque ainda não vi o filme, mas segundo as criticas que já tinha lido sobre ele estava á espera que realmente retratasse a realidade como ela é...mas enfim...concordo, por vezes uma mentira, mesmo que mesmo debaixo do nosso nariz é mais facilmente suportavel e aceitavel do que uma dura verdade.E isto aplica-se a variadas situações...=/..

=) *